Análise de HbA1c em diabéticos que esperam pelo transplante de fígado

O teste de hemoglobina glicada (HbA1c) mede a quantidade de glicose (açúcar no sangue) ligado à hemoglobina. Um teste de HbA1c mostra qual foi a quantidade média de glicose ligada à hemoglobina durante os últimos três meses. É uma média de três meses pois essa é a vida média de uma hemácia.

A diabetes é a causa principal de doenças do fígado, sendo que a cirrose é a responsável por um número de mortes considerável entre diabéticos. A relação entre HbA1c e glicose em pessoas que tem doenças do fígado e ao mesmo tempo aguardam um transplante, e em aqueles com diabetes mas sem problemas no fígado foram pesquisadas.

Cientistas em colaboração com a Universidade de Birmingham (Birmingham, Reino Unido) pesquisaram a HbA1c e glicose no plasma de 125 diabéticos sem problemas no fígado e 29 diabéticos com cirrose aguardando transplante. A mediana (alcance interquartil) do Modelo para Doenças do Fígado em Estágio Final foi calculada como 12 (9-17, sendo que o normal é menos que 6). Em aqueles com cirrose, isto foi provocado por doenças de gordura no fígado não alcoólica, hepatite C, doença alcoólica do fígado, hemocromatose hereditária, fígado/rins policísticos, hipertensão criptogência/não-cirrótica e doença relacionada à α-1-antitripsina.

A equipe descobriu que a mediana da concentração de HbA1c foi de 41 (32-56) mmol/mol [5.9 (5.1-7.3)]%, contra 61 (52-70) mmol/mol [7.7 (6.9-8.6)%], respectivamente, no grupo de diabéticos com cirrose, contra o grupo de diabéticos sem cirrose e que a concentração de glicose foi de 8.4 (7.0-11.2) mmol/L contra 7.3 (5.2-11.5) mmol/L. A concentração de HbA1c foi reduzida em 20 mmol/mol (1.8%) nos 28 participantes com cirroses, mas elevada em 28 mmol/mol (2.6%) nos participantes com distúrbios na α-1-antitripsina.

Aqueles com cirrose e concentrações menores de HbA1c tiveram menos eritrócitos grandes e maior comprimento de hemácias e contagem de reticulócitos. Isso foi refletido na associação positiva de glicose com volume corpuscular médio e uma associação negativa da concentração de HbA1c no grupo com diabetes. Os autores concluem que a HbA1c não é um teste apropriado pra medir a glicose sanguínea em pessoas com cirrose e diabetes esperando transplante pois reflete a apresentação de eritrócitos alterados. O estudo foi publicado em 26 de Novembro de 2018 no jornal Diabetic Medicine.

Deixe um comentário